Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MAR DE MAIO

Livros, viagens e tudo o que nos acrescenta

MAR DE MAIO

Livros, viagens e tudo o que nos acrescenta

Os livros que comprei este Verão

Inês, 24.09.19

livros-verao.jpg

Zorba, o grego de Nikos Kazantzaki (esgotado)
As meninas de Lygia Fagundes Telles (esgotado)
Ciranda de Pedra de Lygia Fagundes Telles (esgotado)
Os velhos marinheiros ou o capitão de longo curso de Jorge Amado (esgotado)
A cor púrpura de Alice Walker
Frankenstein de Mary Shelley
Olhai os lírios do campo de Érico Veríssimo (esgotado)
Tão veloz como o desejo de Laura Esquivel
O grande meaulnes de Alain-Fournier

Uma das melhores coisas do Verão é poder comprar livros em segunda mão pelas muitas feirinhas que vão havendo por aí. Já escrevi aqui no blog sobre a feira da bagageira que há todo o ano. Este Verão aproveitei uma feirinha de Verão mais do que o normal e comprei os livros mencionados neste post e mais alguns que já emprestei ou que já apareceram em posts de review por aqui.

Alguns já queria ler há algum tempo (como «A cor púrpura» e o «Frankenstein») e aproveitei a oportunidade e o preço (custaram entre 0,5 e 3 euros cada um). Outros estão infelizmente esgotados nas edições portuguesas (como os de Lygia Fagundes Telles e Érico Veríssimo que procurei, sem sucesso, na feira do livro deste ano e nos alfarrabistas).

antigas.jpg

Nossa senhora de Paris de Victor Hugo | Oliver Twist de Charles Dickens

Estes dois foram a minha perdição. Custaram 5 euros o conjunto e são edições lindíssimas e antigas (o Nossa senhora de Paris é de 1986 e o Oliver Twist de 1991). Fiquei encantada. Já tinha procurado o "Nossa senhora de Paris" no olx e no custo justo mas os preços eram absurdos para um livro em segunda mão. Além disso, o livro é ilustrado e tem uma dedicatória na primeira página (de um pai para um filho).

nossa-senhora-de-paris.jpg

Enfim, isto tudo para vos dizer que, se gostam de ler e tiverem a oportunidade de ir a uma feira de velharias, vejam as bancas de livros com atenção. Nunca se sabe o que podem encontrar...

Se já tiverem lido algum destes livros, deixem a opinião nos comentários que eu agradeço para saber por qual começar :)

P.S - A Helena Magalhães tem um post que recomendo muito sobre como e onde comprar livros em segunda mão e, já agora, se não seguem a conta de instagram dela sobre livros (@hmbookgang) não sabem o que andam a perder :)

Farturas e memórias

Inês, 14.08.18

memórias.jpg

Comer farturas é tudo de bom. Não pela fartura em si mas porque a combinação do frito com o açúcar por cima me transporta para os dias livres da infância e para as idas à feira aos sábados de manhã com o mesmo pedido de sempre “ó avó, compra-me lá uma fartura”. A resposta era sempre a mesma “isso é só gordura!”. Minutos depois lá ia eu a passear entre barraquinhas de legumes e galinhas com os dedos sujos de gordura e a fartura nas mãos.

Também me lembro da fartura daquelas feirinhas de Verão, iguais em todas as terras, com as senhas para andar nos carrinhos de choque e aqueles jogos de acertar com a bola nos pinos para se ganhar um peluche.

Fast forward para uns anos mais tarde e as farturas (às vezes, o algodão doce) são a minha comida preferida para percorrer o parque Eduardo sétimo entre bancas de livros quando a feira chega com os primeiros dias de Verão.

Fui comer uma fartura a uma feirinha de Verão e pensei em todos estes momentos. Há euros muito bem investidos e aquele euro foi um pequeno preço a pagar por tantas memórias boas. Só veio realçar aquilo que passo a vida a dizer: o melhor da comida são as memórias que lhe associamos.

A cura para tudo: um bom livro e chocolate

Inês, 05.09.17

O ano passado passei um mês a viver num parque de campismo para um projeto de voluntariado. No dia em que cheguei, sem saber o que esperar e assustada com a perspetiva daquela experiência ter sido uma péssima ideia, conheci a Mathilda. Uma rapariga francesa que estava no parque, sentada numa cadeira de madeira, com um livro na mão e um gato bebé no colo.

- Que mais é preciso? – disse ela. Foi nesse momento que todos os meus receios se evaporaram, tinha sido uma ótima ideia. Para além disso, um dos rapazes do acampamento (um holandês) sabia fazer um bolo de chocolate para campismo. Como assim? Bom, não vai ao forno, não precisa de batedeira e não dá trabalho nenhum. Não há vez em que faça este bolo que não me lembre daquelas pessoas, dos livros que li por ali (como este) e dos (muitos) gatos bebés do parque. Por isso, aqui fica uma sugestão de um bom livro e um bom e fácil bolo de chocolate (para campismo).

insustentável-leveza-do-ser-milan-kundera.JPG