Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

MAR DE MAIO

Livros, viagens e tudo o que nos acrescenta

MAR DE MAIO

Livros, viagens e tudo o que nos acrescenta

On the come up de Angie Thomas

Inês, 14.05.19

on-the-come-up.jpg

Não tenho o hábito de ler livros young adult porque não é dos meus géneros preferidos. No entanto, vi o filme "The hate you give" que é a adaptação ao cinema do primeiro livro de Angie Thomas e gostei tanto que decidi dar uma oportunidade à autora e ler o seu novo livro. Ora, o livro ainda não está traduzido em português e tenho algumas dúvidas em relação à sua tradução. Eu explico. É que «On the come up» conta a história de Brianna, uma jovem de 16 anos, que quer ser rapper. Isto significa que há muitas letras de rap (escritas pela escritora na sua juventude) ao longo do livro. Não sei se a editora que traduzir o livro também vai traduzir as letras, mas parece-me que isso vai "estragar" um bocadinho a essência do livro. Por isso, decidi apostar na versão original.

«On the come up» conta então a história de Bri, uma jovem filha de um rapper que morreu e deixou uma carreira por cumprir. É uma homenagem de Angie Thomas ao hip hop, que a inspirou a começar a contar histórias. E é, assim como o seu antecessor, uma história sobre o racismo nos Estados Unidos. Enquanto lia o livro, deparei-me com esta notícia na timeline do facebook:

on the come up.png

Basicamente, a história de «On the come up» começa precisamente assim. Bri é atirada ao chão pelos seguranças da escola e, porque estamos em 2019, alguém faz um vídeo deste episódio com o telemóvel que se torna viral. A partir daí, Bri tem de navegar quem quer ser versus quem os outros querem que seja numa sociedade que a tenta desvalorizar a todo o custo com base na cor da sua pele.

Gostei deste livro. Não o posso comparar com o "The hate U give" porque não o li, mas também não posso dizer que este livro me tenha enchido completamente as medidas. A verdade é que, das duas uma, ou os young adults não são para mim ou eu não os sei escolher. Este ano também li «A educação de Eleanor» e, apesar de ter gostado, ficou aquém daquilo que esperava.

1 comentário

Comentar post