Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Livros, viagens e tudo o que nos acrescenta

Newsletter

Olive Kitteridge: o livro e a série da HBO

olive-kitteridge-mar-maio.png

Voltei a trocar aos voltas ao mundo dos livros e vi a série da Olive Kitteridge na HBO antes de ler o livro. Na verdade, vi a série duas vezes e só depois decidi dar uma oportunidade ao livro. É um daqueles casos em que não acho o livro melhor do que a série, acho que se complementam na perfeição.

A mini série de quatro episódios da HBO é mais focada na vida de Olive, mostrando quatro épocas diferentes ao longo de três décadas da sua vida. É Frances McDormand no seu melhor e é uma série brilhante mas difícil de digerir.

O livro de Elizabeth Strout que ganhou o Pulitzer em 2009 é um conjunto de contos passados na pequena povoação do Maine onde Olive vive com o marido. Nalguns contos, Olive surge como a personagem principal e noutros como uma personagem secundária.

Sabe que a solidão pode matar; de diferentes maneiras, pode fazer com que uma pessoa morra. A perspetiva privada de Olive é que a vida depende do que ela considera «grandes alegrias» e «pequenas alegrias». As grandes alegrias são coisas como o casamento ou filhos, intimidades que nos mantêm à tona, mas essas grandes alegrias contêm perigosas correntes invisíveis. E é por isso que necessitamos também das pequenas alegrias: um funcionário simpático nos armazéns Bradlees, por exemplo, ou a empregada do Dunkin' Donuts que sabe como cada cliente gosta do café.

Estes contos têm histórias de problemas de saúde mental, de luto, de perda, de tristezas várias e, por isso mesmo, são difíceis de digerir. Mas são também a realidade da vida de todos nós, pelo menos, nalgumas fases da nossa vida.

Entretanto, Elizabeth Strout publicou um segundo volume sobre Olive Kitteridge, que já está publicado em Portugal e que quero muito ler. Há qualquer coisa de muito especial na forma como esta autora consegue dizer muito sobre uma personagem em pequenos gestos:

Estão perfeitos - disse ela ao cozinheiro, porque a parte de cima dos queques estava estaladiça nas pontas, amarela como sóis-nascentes. O facto de o seu cheiro acabadinho de sair do forno não lhe causar náuseas, como acontecera por duas vezes no ano anterior, entristeceu-a; um ligeiro desânimo abateu-se sobre si. O médico dissera-lhes: Durante três meses, não podem sequer pensar nisso.

Além dos livros de Olive Kitteridge, Strout tem mais dois romances publicados em Portugal. As traduções são de Tânia Ganho.

2 comentários

Comentar post