Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

MAR DE MAIO

Livros, viagens e tudo o que nos acrescenta

MAR DE MAIO

Menina boa, menina má de Ali Land

27.11.18

menina-boa-menina-ma.jpg

 «Menina boa, menina má» conta a história de Annie, uma adolescente de quinze anos que tem uma mãe assassina em série e que decide denunciá-la à polícia. No início do livro, Annie começa uma nova vida ao mudar-se para uma família de acolhimento. Vai viver com um psicólogo e a sua família. Pelo meio, muda de nome para Milly e tem de manter a sua identidade em segredo e lidar com o julgamento da mãe. Mas, mais importante do que isso tem de lidar com o quanto a identidade da mãe pode manchar a sua. Será que por a sua mãe ser uma assassina, Annie também se vai tornar assassina?

A rainha de um submundo que ninguém quer admitir que existe. Pessoas comuns. Com uma maldade fora do comum dentro delas. O cérebro de um psicopata é diferente dos outros. Ponderei as minhas hipóteses: 80% genética, 20% meio ambiente.

(…) faz-me pensar sobre o que habita dentro de mim e se é possível escapar-lhe. Traços bem enraizados no meu ADN perseguem-me.

Não é apenas a genética que poderia influenciar a vida de Annie. Mas também o seu passado. Afinal, e sem querer revelar muito do livro, Annie esteve muito presente nos momentos em que a mãe torturava e matava as suas vítimas.

 

Confesso que, apesar de ter ficado interessada no livro pela história, houve um pormenor que me fez decidir dar-lhe uma oportunidade. A autora. Ali Land trabalhou durante anos como enfermeira de saúde mental de crianças e adolescentes e essa experiência nota-se muito no livro. Não só na personagem de Annie mas também na relação que desenvolve com a sua irmã da família de acolhimento, a Phoebe. Nunca tinha pensado nisso mas faz muita diferença ler um thriller psicológico escrito por alguém com experiência em saúde mental. Há muitas nuances, pormenores e diálogos que tornam o livro muito rico e que dificilmente poderiam ter sido escritos por alguém sem essa experiência.

 

Não só é um livro com personagens adolescentes muito bem construídos, como se lê de um só fôlego. É um daqueles livros que não conseguimos largar até chegar ao fim. Não achei o final imprevisível mas acho que encerra muito bem a história. Recomendo a todos os que estão a precisar de ler um bom thriller.