Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Livros, viagens e tudo o que nos acrescenta

Newsletter

I'm glad my mom died de Jennette McCurdy

mar-maio-im-glad-my-mom-died.png

Fiquei curiosa com este livro depois de ter visto uma série de entrevistas da Jennette sobre a sua relação com a mãe. Jennette vem de uma família pobre e tornou-se conhecida por ter sido actriz em miúda numa série para a iCarly.

De certa forma, é a típica história de uma mãe que vive através da filha, da sua fama e do seu sucesso. A mãe de Jennette faz de tudo para a filha conseguir ter audições e conseguir um papel principal numa série infantil. Para Jennette, todo o ambiente de Hollywood e das audições é um stress ao qual se sujeita por querer agradar à mãe.

"A little girl shouldn't have to worry about her entire family," Gradpa says to me one afternoon.

"What?" I ask, not because I didn't hear what he said, but because I'm confused. Of course, a little girl should worry about her entire family. That's what little girls do.

"I just..." He steps closer to me. "I just think... you deserve to be a kid."

Além disso, a mãe de Jennette era abusiva muito para além de fazer a filha pagar as contas da casa. E há partes deste livro que são particularmente difíceis de ler (ou ouvir se optarem pelo audiobook). A mãe de Jennette projectava todo o seu narcisismo, frustração por não ter tido fama e sucesso, e falta de vontade de arranjar um emprego na filha.

Fame has put a wedge between Mom and me that I didn't think was possible. She wanted this. And I wanted her to have it. I wanted her to be happy. But now that I have it, I realize that she's happy and I'm not. Her happiness came at the cost of mine. I feel robbed and exploited.

A mãe ainda exigia que Jennette mantivesse um peso ideal para a televisão e a comida torna-se uma obsessão entre as duas, ao ponto da mãe contar e limitar as calorias que a filha pode comer. Esta obsessão torna-se tão grande que, quando a mãe de Jennette fica em coma, ela está convencida que dizer-lhe que atingiu o peso ideal a poderá fazer acordar do coma.

And if she’s really going to die, what am I supposed to do with myself? My life purpose has always been to make Mom happy, to be who she wants me to be. So without Mom, who am I supposed to be now?

Por um lado, esta história faz lembrar aqueles programas manhosos do TLC (como o «Kate plus eight»), os atores das séries da Disney e da iCarly e, hoje em dia, os “online influencers”. Há toda uma rede de pais no Youtube, Instagram e no TikTok que ganham dinheiro exclusivamente à conta de mostrarem os filhos e ganharem dinheiro com anúncios e parcerias.

Imagino que daqui a 20 ou 30 anos alguns destes miúdos estarão a escrever livros de memórias sobre a experiência de terem tido a sua infância e adolescência partilhadas na internet com milhões de pessoas.

Por outro lado, esta história vai muito para além de Jennette ter sido forçada a "viver" a vida que a mãe nunca conseguiu. Há uma mãe que é abusiva para com a filha. Como se isso não fosse suficiente, a família ainda pertence à igreja dos Latter-day Saints (ou seja, são mórmon). Nesse sentido, esta história faz lembrar livros de memórias como «O castelo de vidro» de Jeannette Walls e «Uma educação» de Tara Westover.

«I'm glad my mom died» está muito bem escrito, é cru e honesto (confesso que fiquei surpreendida por Jennette ter revelado tanta coisa), e não ter visto a série em que ela entrou (que é o meu caso) não faz diferença nenhuma para a leitura do livro.

Foi a primeira vez que ouvi um audiobook, aproveitando os 30 dias grátis de subscrição inicial do Scribd e gostei bastante da experiência. É a própria Jennette que lê o livro e o audiobook é excelente. 

10 comentários

Comentar post