Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

MAR DE MAIO

Livros, viagens e tudo o que nos acrescenta

07
Nov16

Razões para ler «A verdade sobre o caso Harry Quebert»

“Tudo o que sei é que a vida é uma sucessão de opções que depois temos de saber assumir.”

A verdade sobre o caso Harry Quebert.JPG

O problema dos bestsellers são sempre as expectativas. Já tinha ouvido falar muito deste livro mas, não fosse ser um daqueles casos em que popularidade não reflete qualidade, fui adiando a leitura. Não foram precisas muitas páginas para me render às evidências. «A verdade sobre o caso Harry Quebert» é um livro muito bem conseguido.

 

Faz-me cada vez menos sentido recomendar livros, porque a melhor parte de ler um livro é a experiência pessoal que temos com ele. Ler este livro foi, para mim, um prazer. Tem quase 700 páginas, mas nem dei por elas. Foi uma daquelas leituras que se prolongou muito para além das páginas do livro. Pensei em Nola a conduzir, antes de dormir e andei às voltas com a história para perceber o que lhe acontecera. Não estive nem perto da verdade, o que só torna o livro ainda melhor.

 

É um policial e um romance

O livro foca-se em Nola Kellergan, uma jovem de quinze anos que desapareceu misteriosamente, na vila de Aurora em 1975. Mas também em Harry Quebert, um escritor que é preso e acusado de assassinar Nola, com quem viveu um romance pouco antes do seu desaparecimento.

 

É um livro sobre livros e sobre escritores

Além dos dois principais personagens serem escritores, este livro tem vários livros lá dentro e está cheio de conselhos e conversas sobre as dificuldades de escrever.

Os livros são como a vida, Marcus. Nunca chegam a terminar.

 

Está cheio de frases bonitas, daquelas que vale a pena ler, reler e guardar sobre a vida (e não só)

 

- Aí tem a resposta: pouco importa ganhar ou perder, Marcus. O que conta é o caminho que percorre entre o gongo do primeiro assalto e o gongo final. O resultado do encontro, no fundo, não passa de uma informação para o público. Quem tem o direito de dizer que alguém perdeu quando o próprio pensa ter ganho? A vida é como uma prova de atletismo, Marcus: haverá sempre pessoas mais velozes e outras mais lentas. No fim, o que conta é o vigor com que se percorreu o caminho.

E a minha preferida:

- Harry, se tivesse de guardar para sempre uma das suas lições, qual seria?

- Devolvo-lhe a pergunta.

- Para mim, seria a importância de saber cair.

- Concordo plenamente consigo. A vida é uma longa queda, Marcus. O mais importante é saber cair. 

 

Eleições nos Estados Unidos

O livro passa-se em 2008, altura em que Barack Obama enfrentava John McCain, acabando por ser eleito presidente a 4 de Novembro. Ler este livro em altura de novas eleições foi um bónus que serviu para lembrar que já existiram campanhas eleitorais sãs nos Estados Unidos. Pena que a deste ano não tenha sido uma delas.

Uma mulher e um negro, Goldman! Vá, sejamos sinceros, considero-o um jovem inteligente: quem iria eleger uma mulher ou um negro para a presidência do país?

Ler também:

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Follow