Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

MAR DE MAIO

Livros, viagens e tudo o que nos acrescenta

Por aqui e por ali de Bill Bryson


Inês

22.06.17

Há dois tipos de pessoas no mundo. As que decidem percorrer um trilho selvagem (com ursos) e, numa livraria, passam ao lado de um livro sobre ataques de ursos e as que compram o livro, o devoram pela noite dentro e se demoram em cada detalhe da história de pessoas atacadas num sítio onde estão prestes a caminhar.

 

Bryson pertence ao segundo grupo. E ainda bem. É isso que faz de “A walk in the woods” (ou “Por aqui e por ali”, uma tradução cujo sentido me escapa) um dos meus livros de viagens preferido, até ao momento.

por-aqui-por-ali-bill-bryson.JPG

Bill Bryson decide caminhar o Trilho dos Apalaches, que vai da Geórgia ao Maine, na costa leste dos Estados Unidos, com um amigo (Katz) que não vê há décadas. A contracapa da versão portuguesa resume bem esta aventura:

Enfrentando condições climatéricas extremas, insetos implacáveis, mapas pouco fiáveis e um companheiro instável, que acima de tudo gostava de ir para um motel ver os Ficheiros Secretos, é com grande esforço que Bryson percorre a natureza selvagem para conseguir realizar o sonho de uma vida: não morrer ao ar livre.

 

A decisão de caminhar na natureza selvagem é algo que me fascina. Já li Livre de Cheryl STraied onde ela caminha pelo Pacific Crest Trail, um trilho na costa oeste dos Estados Unidos e Into the wild de John Krakauer (este com um final trágico). Caminhar na natureza selvagem implica carregar com tudo aquilo de que se vai precisar durante semanas às costas (incluindo comida, tenda, saco-cama, roupa, enfim tudo), tomar banho em rios ou lagos (se o tempo o permitir, caso contrário implica não tomar banho) e, resumindo, não ter qualquer contacto com a civilização.

Se há algo que o Trilho dos Apalaches nos dá é a possibilidade de chegar ao êxtase com muito pouco, algo que nos daria bastante jeito na vida quotidiana.

 

Bryson vai descrevendo caminhadas por montanhas e florestas, em condições de neve e de calor. As descrições da caminhada e das conversas e aventuras entre os dois fizeram-me sempre rir. No entanto, arrisco-me a dizer que a melhor parte são todos os desastres que o autor imagina e que, felizmente, nunca chegam a acontecer. Estes envolvem pessoas comidas por usos negros (parece que os pardos são mais simpáticos), pessoas que se perdem e, em pânico, tomam decisões sem sentido que acabam por lhes custar a vida, ataques de hipotermia, assassinos em série, entre outros. Tudo o que possa correr mal num caminhada pela natureza selvagem acontece, pelo menos na imaginação de Bryson.

 

Resumindo, recomendo a leitura a quem estiver à procura de algo leve, que nos faz dar mais valor à natureza selvagem (e aos ursos que a habitam).

5 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D